Ellery Queen foi criado originalmente para um concurso de romances policiais

Ellery Queen foi criado originalmente para um concurso de romances policiais

 

Em 1928, nascia um detetive esnobe, rico, bem educado e bastante observador. Ellery Queen foi criado originalmente para um concurso de romances policiais da revista McClure’s Magazine, fruto da imaginação dos primos Frederic Dannay e Manfred B. Lee.

A história até venceu o concurso, mas não chegou às bancas naqueles dias porque a revista simplesmente faliu. Só foi mesmo publicada um ano depois, dando origem a inúmeras aventuras com esse personagem, um sucesso absoluto. No Brasil, o primeiro livro saiu com o título “Um Morto na Plateia”.

Curioso é que o personagem Ellery Queen é também escritor de romances policiais. Seu parceiro é o próprio pai, o inspetor Richard Queen, da Polícia Metropolitana de Nova York. “Queen pai” divide informações sobre casos difíceis com o filho, que não se incomoda em passar a perna na polícia e resolver ele mesmo os casos. Ellery descobre o autor do crime sempre a partir de uma busca racional e lógica.

As tramas são típicas do estilo “Quem matou?”: um crime complexo se apresenta, pistas falsas e verdadeiras são espalhadas entre os capítulos, e a história segue recheada de personagens curiosos. Perto do fim da história, sai um alerta para o leitor de que todas as informações necessárias para resolver o desafio já foram apresentadas e que – como Ellery – ele já pode matar a charada por conta própria. A esse tempero, deu-se o nome de “O Desafio de
Ellery ao Leitor”.

Os livros do detetive Ellery Queen também são assinados por… nada mais, nada menos que Ellery Queen! Calma, vamos explicar a confusão. Este foi o pseudônimo usado pelos publicitários Daniel Nathan e Maniord Lepofsky quando criaram o detetive. Além de assinarem juntos, também tinham nomes artísticos individuais, como Frederic Dannay e Manfred B. Lee.

Os multi-facetados primos viraram autores respeitados e uma referência entre os romances policiais. Publicaram antologias e vários estudos sobre a influência do gênero literário, elaboraram livros críticos e organizaram o índice dos autores policiais mais importantes das décadas passadas.

Sob o pseudônimo Barnaby Ross, eles escreveram quatro títulos com o detetive Drury Lane e, juntos, venderam mais de 150 milhões de livros em 40 anos de carreira. Também criaram a revista Mistério Magazine Ellery Queen, em 1941 nos Estados Unidos, importante até hoje. A Mistério Magazine foi o principal meio de difusão de contos do gênero durante muitas décadas. No Brasil, foi publicada de agosto de 1949 a outubro de 1976, pela Editora Globo.

 

(Texto extraído do e-book Os Maiores Detetives do Mundo)

 

SOBRE O E-BOOK

Título: Os maiores detetives do mundo
Autor: Chris Lauxx
Páginas: 316
Compre o e-book

SINOPSE – O que Sherlock Holmes, Batman e Ed Mort têm em comum? Poirot, 007 e House podem pertencer ao mesmo clube? A resposta é sim, já que todos eles investigam e solucionam mistérios! Os Maiores Detetives do Mundo é uma enciclopédia pop dedicada a 60 grandes investigadores da literatura, cinema, quadrinhos, TV e games. Este guia único e completo apresenta perfis, biografias, curiosidades e inúmeras informações divertidas sobre o mundo dos detetives. Do surgimento da ficção policial à atualidade, viaje pela linha do tempo e encare os protagonistas mais durões, esquisitos e fascinantes do planeta. Desvende enigmas com Auguste Dupin e treine as células-cinzentas com Hercule Poirot. Brinde em Paris com o comissário Maigret e renda-se à majestade inglesa de Sherlock Holmes. Desvie das balas de Philip Marlowe e resista ao charme de James Bond, enquanto os serial killers de Kay Scarpetta confundem a polícia americana. As sombras da cidade não são sombras, são Batman e The Spirit lutando para manter a ordem e paz reinante. E na terra dos vikings, Wallander, Joona Lina e Lisbeth Salander revelam inimigos ocultos. Escrito com linguagem acessível e organizado em capítulos cronológicos e temáticos, Os Maiores Detetives do Mundo é o guia definitivo para quem não resiste a um bom mistério.